Notícias

Equipes-de-secretarias-encontram-especialistas-para-formação-em-alfabetização-integral
Equipes de secretarias encontram especialistas para formação em alfabetização integral

13 de março de 2017

O programa de gestão da alfabetização do Instituto Ayrton Senna, voltado para formação integral de crianças até o 3º ano do Ensino Fundamental, será ampliado em 2017 e as equipes que irão implementar as ações nas redes públicas de ensino estiveram na sede do Instituto, em São Paulo, para formação.

Durante três dias, os profissionais se reuniram com a equipe do Instituto Ayrton Senna e com especialistas em diversas áreas do conhecimento que apoiam a elaboração desse e de outros programas no Instituto. Todos os conceitos e atividades que integram a gestão de políticas de alfabetização serão multiplicados por essas equipes a partir de meados de março, em formações locais nos sete municípios que adotaram a proposta e que envolverão os coordenadores pedagógicos das escolas envolvidas.

O principal objetivo dessa proposta é apoiar as escolas para viabilizar a alfabetização de todos os estudantes até o 3º ano do Ensino Fundamental, como previsto no Plano Nacional de Educação, e ainda oferecer oportunidade de educação integral aos estudantes. Para isso, os professores dessas turmas contarão com apoio pedagógico e um acompanhamento frequente, desenvolvendo atividades direcionadas para as necessidades dos estudantes segundo seus níveis de alfabetização.

A proposta oferece instrumentos para identificar cada aluno em um de quatro níveis de desenvolvimento da alfabetização, o que orienta o planejamento de atividades de forma diferenciada para cada grupo de alunos. Os conteúdos não alteram o que já está previsto nos currículos escolares, mas são trabalhados de maneira mais direcionada e interdisciplinar, ou seja, estabelecendo correlações entre os conhecimentos e práticas. A alfabetização científica e a corporal, por exemplo, também serão trabalhadas durante as aulas, proporcionando a formação integral das crianças.

DESAFIO NA PRÁTICA

A elaboração da proposta resulta de um conhecimento acumulado pelas equipes do Instituto e por consultores que acompanhavam programas para correção de fluxo (voltados para alunos em distorção idade-série, com dois ou mais anos de diferença em relação ao previsto para sua série). Nessas ações, fica nítido o impacto na vida de alunos que não foram alfabetizados até o 3º ano, pois eles passam a sofrer reprovações recorrentes, têm mais dificuldades para acompanhar o ensino nos anos seguintes e, frequentemente, acabam perdendo o interesse pela escola e abandonam o sistema escolar.

“Muitas vezes essas dificuldades enfrentadas por alunos podem ser revertidas até o 3º ano, mas para isso é preciso ter ações intencionalmente planejadas, não são as mesmas que o professor vai fazer para alunos da mesma turma que já estão alfabetizados”, afirmou Suely Amaral, consultora do Instituto para alfabetização.

Esse desafio para garantir que todos os estudantes terminem os três primeiros anos do Ensino Fundamental alfabetizados, é um desafio nacional: resultados da Avaliação Nacional de Aprendizagem (ANA) divulgados em 2015 apontam que apenas 43% dos estudantes ao final desse ciclo possuem aprendizado adequado em Matemática, 66% em escrita e 78% em leitura.

Os dados da ANA indicam que 22% dos estudantes do 3º ano não conseguem localizar informações explícitas em textos curtos como piadas ou fragmentos de narrativas, nem reconhecer a finalidade de textos como cartazes ou anúncios; e que 34% escrevem de forma incipiente ou inadequada ao que foi proposto ou produzem textos sem elementos que estabeleçam articulação entre os fragmentos.

“O compromisso que assumimos é deixar a criança com potencial de seguir seus estudos no ano correto para sua idade. Para isso, a rede tem que ter compromisso com a alfabetização e um entendimento de corresponsabilidade sobre a aprendizagem de cada estudante”, afirmou a gerente executiva de Gestão de Políticas de Aprendizagem, Inês Miskalo.

Segundo Inês, com base nos instrumentos da proposta, além do professor ter mais informações para a gestão de sua aula, cada escola e toda a rede de ensino também terão um conjunto de indicadores sobre a dimensão do desafio e do que precisa planejar em suas ações para atingir os objetivos traçados em sua gestão de políticas de alfabetização.

MUNICÍPIOS ENVOLVIDOS

Em 2016, três municípios já iniciaram esse trabalho e colheram bons resultados. Juazeiro (BA), Belo Jardim (PE) e Guaratinguetá (SP) envolveram cerca de 3 mil alunos em escolas que tinham maiores desafios em alfabetização. Os resultados coletados com os professores indicam que, nas escolas em que o programa foi aplicado, houve expressiva redução de alunos no nível 1 de alfabetização e aumento de alunos no nível 4, ao final do ano. Os professores também compartilharam boas experiências e o trabalho com estratégias de ensino variadas.

Em Belo Jardim, por exemplo, os professores participantes conseguiram que mais da metade dos alunos que se encontravam no nível 1 terminassem o ano em níveis mais elevados de alfabetização. E, ainda, o grupo plenamente alfabetizado (nível 4) passou de 9% dos estudantes nas turmas com esse trabalho para mais de 25% ao final do ano.

Neste ano, o grupo será ampliado para mais quatro municípios: Salvador (BA), Licínio de Almeida (BA), Feira de Santana (BA) e Maceió (AL). Juntos, todos realizarão novas práticas de alfabetização (cada um com liberdade para adotar a concepção que julgar mais adequada) e de formação integral, já que a alfabetização envolve também letramentos igualmente relevantes, como o científico, o corporal e o socioemocional, dimensões que devem receber o mesmo enfoque dado pelas escolas ao trabalho de aprendizagem, quando o objetivo é preparar a criança para uma atuação autônoma no mundo.

“Isso significa também que o professor se prepara para ser um mediador do conhecimento e, ao invés de apresentar respostas prontas, estimule que os alunos participem ativamente da aprendizagem, o que muda a forma de trabalho e a postura do professor”, disse Inês.

 

Tags: Educação,

Ver todas as notícias

Cadastre-se e receba notícias e novidades do Instituto Ayrton Senna