publicado em 22.08.2019 ÀS 16:33

Educação por projetos: como implementar essa ideia

Entenda como funciona a implementação da metodologia de projetos na Educação, além de conhecer o histórico dessa iniciativa no Instituto Ayrton Senna.

No artigo anterior, você conheceu a ideia por trás da educação por projetos. Agora é o momento de falar como ocorre a implementação desse modelo em uma escola.

A resolução de problemas envolve uma atitude proativa de enfrentamento de situações que precisam de respostas práticas. Para isso, é preciso identificar e delimitar o problema em si (contando com diferentes pontos de vista), desenvolver estratégias para propor uma solução (mobilizando conhecimentos dispersos, incorporando perspectivas variadas e experiências anteriores), planejar ações e gerenciar processos, além de viabilizar a aplicação das soluções em outros contextos.

Assim, além da capacidade de se mobilizar e ter iniciativa, a resolução de problemas envolve competências como o pensamento crítico, a criatividade, a abertura ao novo e a colaboração.

Um projeto educativo é um plano de trabalho integrado, estruturado a partir de interesses e necessidades compartilhados por educadores e educandos, de forma organizada e intencional, visando satisfazer necessidades e resolver problemas reais. Para o planejamento, é importante levantar questões como:

  • Em qual situação devemos intervir?
  • Quais são os problemas aí existentes?
  • A quem interessa o enfrentamento destes problemas?
  • Qual é nosso plano de trabalho para intervir nesta situação?
  • Quem vai se envolver na execução das ações propostas?
  • Como nos organizaremos para isto?
  • Do que necessitamos para realizar o que foi planejado?
  • Quanto tempo será necessário para o desenvolvimento das ações planejadas?
  • Como saberemos se estamos atingindo ou não nossos objetivos?
  • Quem responde pelos resultados positivos e negativos de nossa atuação?

Ativando um plano de educação por projetos

Alinhada ao projeto pedagógico das escolas, essa metodologia envolve os estudantes em situações de resolução de problemas e foca padrões que devem refletir a ênfase dada atualmente ao desenvolvimento de competências e ao domínio do conteúdo, que evidenciam o sucesso na aprendizagem.

Nessa perspectiva, os alunos podem perceber e vivenciar o conhecimento como uma construção, e que é preciso atribuir sentido a esse conhecimento diante dos desafios enfrentados em seus cotidianos.

Para a realização dos projetos, é possível utilizar um método estruturado em seis etapas que ocorrem durante um percurso:

  • Mobilização (mobilizar interesses e engajar professores e estudantes);
  • Iniciativa (identificar o problema importante a ser resolvido);
  • Planejamento (definir os passos com os quais esse problema será enfrentado);
  • Execução (concretizar aquilo que foi planejado);
  • Avaliação (analisar o que foi executado e como o caminho foi percorrido);
  • Apropriação de resultados (ao final do processo, identificar os aprendizados mais significativos e como eles poderão ser incorporados ou usados em outras situações).

Não se trata, portanto, de criar situações lúdicas ou extracurriculares em atividades pontuais e descoladas do restante do trabalho escolar, e sim de uma metodologia que está a serviço da integração do currículo e da formação integral dos estudantes.

A etapa de avaliação dos resultados envolve a análise em conjunto, pelas equipes e professor, sobre as experiências e resultados obtidos. Por meio da avaliação é possível constatar o grau de consecução dos objetivos, comparando metas preestabelecidas com os resultados, em termos de eficiência e desempenho.

Uma boa avaliação de um projeto educativo é a que leva em conta: a qualidade do que foi realizado; sua repercussão na escola, na comunidade, nas famílias e em cada um dos principais grupos envolvidos no processo; as perspectivas de novas ações que se abrem a partir da realização da tarefa assumida pelo grupo; o clima geral do desenvolvimento do projeto (abordando aspectos socioemocionais, como graus de cooperação ou individualismo) etc.

Esse momento de conversa é uma boa oportunidade para os alunos falarem sobre as potencialidades e fraquezas que encontraram no processo, o que aprenderam com a experiência e como isso se refletirá em sua vida no futuro.

Histórico de atuação do Instituto Ayrton Senna

No Instituto Ayrton Senna, há mais de 20 anos a educação por projetos tem sido aplicada junto com redes públicas de ensino. No estado de São Paulo, em parceria com a Secretaria da Educação do Estado (nos projetos Escola da Família, Escolas de Tempo Integral e Salas de Leitura), as práticas reunidas nessas experiências favoreceram o aprendizado e a educação integral dos jovens, especialmente por meio do protagonismo juvenil.

Hélio Lima participou do Programa Escola da Família na Escola Estadual Professora Therezinha Closa Eleutério, na Diretoria de Ensino Guarulhos Sul. Hoje é bailarino, coreógrafo e responsável por iniciativas de ensino de dança com crianças e jovens.

“Eu digo que o SuperAção me deu ferramentas para eu ser quem sou hoje. Quando quero desenvolver um projeto, uma coisa até mesmo pequena, eu penso primeiro em como posso fazer, coloco no papel, vou criando situações, vou pensar qual o objetivo, qual o valor que isso vai ter, não só para mim, mas também para outras pessoas. E não é ser protagonista pensando só em uma única pessoa. Não, tenho milhares de outros protagonistas que estão ali comigo nesse elo”.

Não conferiu o artigo anterior sobre o tema? Conheça os principais motivos para adotar a educação por projetos em sua instituição de ensino.

Digite o assunto que deseja pesquisar

Comentar
Mensagem
Comentários