publicado em 14.11.2018 ÀS 13:35

Instituto Ayrton Senna apresenta diagnóstico da Educação a pedido do governo eleito

O Instituto Ayrton Senna foi convidado pela equipe do governo eleito para apresentar um diagnóstico e caminhos de melhoria da educação brasileira. Essas contribuições são fruto do know-how de quase 25 anos da instituição, que pesquisa e desenvolve conhecimento com base em evidência científica e empírica para contribuir na construção de políticas públicas de educação mais inovadoras, eficazes e equitativas.

Com isso, a organização se disponibilizou a compartilhar sua expertise em temas como alfabetização na idade certa, formação e valorização de professores, gestão educacional, implementação da Base Nacional Comum Curricular e educação integral (que envolve mais que ampliação do tempo e refere-se ao desenvolvimento pleno do estudante nas dimensões cognitiva e socioemocional, promovendo competências para o século 21 como pensamento crítico, colaboração e criatividade, entre outras).

Para o Instituto Ayrton Senna, equacionar os graves problemas da educação brasileira é responsabilidade de todos, uma colaboração entre poder público, família e sociedade, como diz a própria Constituição Federal em seu Artigo 205. Nesse sentido, convidou outro movimento da sociedade civil organizada, o Todos Pela Educação, do qual faz parte, para apresentar o documento Educação Já!, que reúne medidas construídas por um grupo plural e suprapartidário de especialistas em educação.

Também por meio da colaboração, o Instituto Ayrton Senna trabalha atualmente em mais de 600 municípios e 16 estados, beneficiando 1,5 milhão de estudantes. Isso também lhe permitiu conhecer profundamente as diferentes realidades brasileiras, dando-lhe a oportunidade de desenvolver práticas pedagógicas e de gestão adaptáveis a essa diversidade. Assim, nesse momento crucial para o futuro do país, continuará fiel à sua trajetória e à sua causa, que é a defesa da educação de qualidade como o principal caminho para uma sociedade justa, próspera e democrática.

Clique aqui para ler a entrevista de Viviane Senna para o Estadão: "‘Não podemos voltar atrás na base curricular’, diz Viviane Senna" (Política - Estadão - 17/11/2018).

*Esclarecimento 22/11/2018:

Em resposta às demandas de esclarecimento recebidas ao longo desta quinta-feira (22/11), informamos que, como noticiado ontem pelo próprio Instituto Ayrton Senna no início da tarde e diferentemente do que havia sido divulgado pela imprensa, Mozart Neves Ramos não havia sido convidado pelo presidente eleito para assumir o cargo de ministro da Educação, e sim para participar de um encontro que daria continuidade à reunião feita com Onyx Lorenzoni e Joice Hasselman na semana passada. Naquela ocasião, a pedido da equipe de transição, o Instituto Ayrton Senna apresentou um diagnóstico e caminhos de melhorias da aprendizagem com base em seu know-how para a construção de políticas públicas mais inovadoras e eficazes a partir de evidências científicas e empíricas. Também levou pilares que considera críticos para a melhoria da educação brasileira tais como alfabetização na idade certa, formação e valorização de professores, gestão escolar, implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e educação integral.

*Esclarecimento 21/11/2018:

Diferentemente do que vem sendo publicado na imprensa, Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, não foi convidado pelo novo presidente para assumir o Ministério da Educação. Amanhã pela manhã (22), Mozart participará de mais uma reunião técnica, agora com Jair Bolsonaro, para dar continuidade à reunião feita com Onyx Lorenzoni na semana passada, na qual foram apresentados um diagnóstico e caminhos de melhoria para a educação brasileira, preparados pelo Instituto Ayrton Senna (conforme informações divulgadas no site do Instituto Ayrton Senna).

 

Digite o assunto que deseja pesquisar

Comentar
Mensagem
Comentários