publicado em 8 de setembro de 2020

Educação integral e gestão da alfabetização são temas de formações

Equipe da Secretaria de Educação de Manaus (AM) participa de primeiro grande encontro formativo do Gestão de Política de Alfabetização. A solução educacional visa apoiar a rede no desenho e gestão da política para alfabetizar estudantes até o 3º ano do Fundamental

Responder aos desafios da alfabetização no século 21 demanda muito mais do que um ou outro método para ensinar a decodificar letras e símbolos, já que é preciso olhar para esse momento como base para a educação integral dos estudantes. Com este objetivo, o Instituto Ayrton Senna desenvolveu uma proposta de Gestão de Política de Alfabetização, que auxilia as redes públicas de ensino a definir suas políticas educacionais para esta etapa tão estratégica, com ênfase na alfabetização integral de todos até o final do 3º ano do Ensino Fundamental. Em Manaus, por exemplo, cerca de 600 profissionais estão sendo formados para implementação da proposta, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

Na formação foram trabalhadas duas agendas paralelas: uma, para o público de professores e estagiários do 3º ano do Ensino Fundamental, com objetivo de abordar aspectos relacionados ao processo de alfabetização, incluindo ferramentas de diagnóstico, planejamento, rotina escolar e práticas pedagógicas. Já para pedagogos e coordenadores dos anos iniciais do Ensino Fundamental, a formação tem objetivo de compartilhar conteúdos do programa para fortalecimento da atuação desses profissionais e também para subsidiar o conhecimento sobre como se desenvolvem as chamadas competências socioemocionais (tão importantes quanto os aspectos cognitivos, essas competências como autogestão, colaboração e imaginação criativa podem ser intencionalmente desenvolvidas nas escolas e contribuem para a conquista de uma série de realizações dos estudantes, na escola e na vida).

Este é um dos principais diferenciais desta proposta de alfabetização, porque ela passa a ser entendida como oportunidade para o desenvolvimento integral do estudante, articulando conhecimentos de todas as áreas e também as competências em todas as suas dimensões. Essa visão de educação considera evidências científicas que demonstram que trabalhar essas competências em sala de aula, em diversos contextos, impacta no desenvolvimento pleno de crianças e jovens e tem influência na permanência do estudante na escola e no sucesso da aprendizagem ao longo da vida.

Dessa forma, respeitando os currículos e métodos de alfabetização já adotados pela rede e pelas escolas, a proposta incorpora ao processo de alfabetização diferentes linguagens como a corporal e a científica e diversas intervenções pedagógicas que contribuem para esse desenvolvimento pleno.

Paralelamente, o programa envolve todas as instâncias da gestão educacional com o sucesso da alfabetização dos estudantes: desde a sala de aula, passando pela unidade escolar até a secretaria de Educação. As formações, como a que aconteceu nesta semana em Manaus, são uma oportunidade única para promover essa cultura de gestão, que inclui diversos profissionais no acompanhamento sistemático da situação das turmas, o monitoramento do avanço em direção às metas de alfabetização e o planejamento de atividades e intervenções com base em indicadores.

Parceria em Manaus

A parceria do Instituto Ayrton Senna com a prefeitura de Manaus teve início em 2015, com a implementação de programas de correção de fluxo Se LigaAcelera Brasil (para alunos com distorção idade série dos 3º, 4º e 5º anos do Ensino Fundamental) e os programas de reforço Fórmula da Vitória Língua Portuguesa (para alunos de 6 ao 9º ano com defasagem nas competências leitora e escritora) e Para Saber Mais/Pit Stop (para alunos do 3º ao 5º ano também com as mesmas dificuldades de leitura).

Desde 2018 a gestão desses programas foi transferida e passou a ser realizada integralmente pela própria equipe da rede municipal de ensino, dado o nível de apropriação e a excelência do trabalho empreendido pela equipe. No mesmo ano, teve início o Gestão de Política de Alfabetização, como uma das estratégias para melhorar a alfabetização de seus alunos e reverter as taxas de distorção idade-série (quando o estudante está dois ou mais anos atrasado em relação à série que deveria cursar), que ainda chegam a 17% em Manaus.

O objetivo desta, que é a 3ª maior rede pública de educação do país, é baixar sua taxa de distorção idade-série para 5% em 2024, conforme meta 7 do Plano Nacional de Educação, e também garantir que 95% dos alunos estejam alfabetizados até o 3º ano do EF, conforme meta 5. Para isso, em 2019 os programas do Instituto devem ser implementados em pelo menos 20% das escolas da rede e o Gestão de Política de Alfabetização abrangerá 76 unidades de ensino, com potencial para beneficiar 12 mil estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental. Em Manaus e em outras 29 localidades do País, esta iniciativa tem apoio da Fundação Banco do Brasil.